sexta-feira, 5 de março de 2021

5 de março, 30 anos

Há exatos 30 anos, eu acordei com uma imensa dor na barriga. Percebi que em breve iria receber visitas e lembrei que o sofá continuava rasgado, à espera de um minuto (ou 20, né?) de dedicação. Peguei linha vermelha e agulha e lá me fui costurar o rasgão, tarefa que, além de infrutífera pois obviamente ele logo iria continuar a sua trajetória de destruição tecidual, não poderia ser descrita como a mais adequada para o momento. Afinal, o nascimento já estava 5 dias atrasado em relação à data estimada e a bolsa tinha estourado, eu costurava e sentia escorrer um líquido morno que, logo descobri, estava se tornando verde.

Sim, eu sei. Mas essa é a gogó. Prioriza manter a calma à entrar em pânico, mesmo ouvindo a urgência se aproximando. Quando enfim acordei o gogô o dia já ameaçava amanhecer e ele me deu a maior bronca, com razão, porque já havia trânsito para chegar ao hospital. 

Mas, enfim, chegamos por volta de 6h, 7h da manhã e seu papai esperou até depois das 13h para nascer. Também, tava tão bom ele dentro de mim que nenhum de nós tinha pressa. Essa, você só vai entender o dia que tiver, você mesma, um nenezinho dentro da sua barriga: o sentimento de completude.

Até às 13h gogó ficou em trabalho de parto, tentando ter um parto natural, mas o dr. José avisou que o nenê iria "entrar em sofrimento", isto é, começar a engolir mecônio (o tal líquido verde da bolsa amniótica que havia estourado). Daí, gogó desistiu e encarou uma cesárea. 

O dr. José foi o médico que havia ajudado a sua bisavó a ficar grávida, porque ela demorou um ano depois de casada, algo que na época era considerado um problemão e hoje é visto como uma grande piada. Quando a gogó nasceu, ruiva dos cabelos vermelhos, ele brincou "essa é minha filha" e todos riram. Quando seu papai nasceu, com longos fios vermelhos - parecia uma cebola, mas como eu escrevi a ele em um desses cartões de aniversários dos últimos 30 anos, era a cebola mais linda que eu já tinha visto na vida - o dr. José falou: "nasceu meu neto" e todos choraram.

Desde então, foram 30 anos em que a palavra chorar mudou de significado. 

Há exatas três décadas o meu mundo mudou. Ganhou a cor certa, a trilha sonora perfeita. E bota "som" nisso. Seu papai chegou gritando a plenos pulmões, exigindo desde o primeiro segundo que o mundo ficasse melhor. 

Sorte do mundo, sorte minha, sorte sua, Florinha. Seu papai é uma das pessoas que fazem diferença, incomodam, provocam mudança. Você puxou o gênio forte, já vi, né? Também, teve a quem puxar porque vocês aí, os dos Santos D´Elia, são dos bravos. 

Florinha, dá um abraço apertado no seu papai, um beijo demorado, mostra para ele o amor que eu sinto mas que hoje só consigo mandar de longe. Diz que a gogó tá chorando de saudades.

Dan, feliz aniversário, parabéns por hoje e por tudo, Te amo muito, viu?



Nenhum comentário: