domingo, 14 de fevereiro de 2021

Domingo, 14 de fevereiro de 2021

 Sua avó vai fazer 57 anos no próximo mês. Mas, alguns dos momentos mais ricos, inesquecíveis, desses anos todos, aconteceram nessa semana que passou. 

Uma vez, eu disse na terapia que, mesmo tendo vivido 27 anos antes do seu pai nascer, para mim não mais existia um mundo antes dele. E isso se repete com você, agora. 

Eu queria que você lesse isso aqui e percebesse que, aos dois anos, era a menina mais encantadora do mundo. Uma menininha de olhos imensos, um sorriso lindo, a carinha morena toda rodeada de cachinhos, o nariz arrebitadinho sempre pronto a se franzir na gargalhada. Uma criança com uma energia inacreditável, que adora dançar, correr, pular, se esconder, cada dia uma brincadeira nova. Mas que, também, dá um abraço apertado na gogó e fica um tempão com as bochechas coladas recebendo beijinhos (seu pai não pode saber disso, tá?)

Como de hábito, fomos comer a nossa pizza vegana. E estava tão bom que poucos dias depois - eu já tinha ido embora, sob seus protestos e ouvindo você chorar chamando a gogó - seus pais resolveram fazer pizza em casa. Seu pai perguntou: "Quem vai comer pizza hoje???" e você respondeu "a gogó".

Eu queria muito, sabia? Gostaria imensamente de estar aí com você, ou ao menos mais perto, ao alcance de vocês em algumas poucas horas. Mas estou a vários estados de distância, de coração apertado de tantas saudades. Vivendo e pensando na próxima vez que vou ver vocês. 


A verdade é que ficar longe de vocês é um sofrimento. Saí com você chorando e chamando "Gogó, fica 'qui, gogó!" e tudo o que eu queria era obedecer. Sinto muita falta de você e do seu papai. Antes de ir embora, a gente - ele e eu - havia ido a um shopping comprar um edredon novo para a sua mamãe. Foi uma furada atrás da outra: não havia UMA mísera opção vegana para comermos, gastamos uma grana desnecessária para comer umas 2 mil calorias vazias e gordurosas, e ainda senti fome na volta, no avião; o uber que chamamos parou na avenida errada; um sistema de táxi bloqueou o celular do papai; demoramos horas para conseguir voltar para casa. E, mesmo assim, foi uma tarde inesquecível.

Adoro a companhia de vocês e o que eu mais queria era poder desfrutar mais, sem entretanto atrapalhar. Minha meta é encontrar esse equilíbrio e as condições materiais de fazê-lo.

Te amo, netinha Florinha



Nenhum comentário: