sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Dia 18 de setembro - Flora completa um ano e oito meses

Flora, netinha amada,

Hoje, uma menina muito linda veio aqui no apartamento onde a vovó está. Eu abri a porta e ela disse: Gogó! Cada vez que a sua vovó ouve isso dá um calor no coração, uma alegria na alma que não sei nem como te contar. Você tá muito linda e muito inteligente, uma bonequinha morena de nariz arrebitado. 

Hoje é o primeiro dia de 5781, o ano novo judaico. Gogó tá acompanhando pela internet, embora nos últimos anos eu não tenha ido à sinagoga nesse dia. E tô meio emocionada, sabia? Fazendo um pedido de miss: a paz mundial. Queria, mesmo, que as pessoas parassem de se odiar. Mais amor, por favor. Judeus, árabes, brancos, negros, mulheres, homens. Tá muito difícil um mundo em pandemia e ainda por cima em chamas e mergulhado em ódio. Quero um mundo melhor, diferente, para você. Sério.

E quero também ficar mais perto. Por isso tomei essa decisão de ficar um mês em São Paulo, porque ficar longe de você e do seu papai não dá. Então, estou aqui vendo a cerimônia pela internet e lembrando de uma pessoa muita especial na minha vida. A Noca, minha melhor amiga que morreu. Depois que ela se foi, eu nunca mais fui a mesma. Incorporei algo dela, a alegria, a energia, o riso, a vibração. Mudei. E hoje estou lembrando da última vez que estivemos juntas no acampanhamento, e também era shabat e ela que fez a reza das velas. Eu, nem conhecia, na minha casa praticamente  não tinha religião. 

Depois, ela me abraçou e chorou e disse que nunca mais iria ao acampamento, aquela seria a última vez. Eu fiquei muito incomodada, tentando acalmar ela e entender o que era aquilo. Resumindo, a gente estava olhando a fogueira e ela me contou que sabia que tudo iria mudar. Pouco depois, ela descobriu que tinha um câncer e dez meses depois, se foi. Porque estou contando isso agora? Sei lá. E nem é com tristeza que falo, é com gratidão por ter conhecido a Noca, por ter tido ela na minha vida. E, por de certa forma, ter ela comigo até hoje.

Essa foi uma semana difícil em um período duro. Hoje, um novo ano, shabat de lua nova, conectada pela internet, meu coração sente esperança. Tenho saúde e uma alegria dentro de mim que estou precisando resgatar.

Um vez fomos nesse primeiro dia de Rosh Hashaná, eu e seu papai, na sinagoga. Foi uma das poucas vezes em que fui, ouvir o toque do shofar, que é um chifre de carneiro que soa anunciando que começa o período de revisão do ano que está acabando. Daqui a dez dias, depois de um dia de reflexão e jejum, é que 5781 começará de verdade. 

Então, comprei um livro de rezas para marcar a solenidade de ir com seu papai nesse dia. E, na saída, telefonei para seu bisavô, o meu papai, do telefone da portaria. Nem existia celular ainda, que história velha, Florinha. E seu papai disse assim: "Vovô! Sabe onde eu estou? Na ópera!" hahahahahahaha porque na cerimônia judaica tem muita música, agora mesmo estão cantando uma linda. E mostrando diversas famílias, em suas casas. Uma delas é a cantora Fortuna, lindo nome, linda voz. Estamos muito espalhados pelo mundo. E estamos juntos, muitos de nós, nesse momento. É terrível e emocionante.

Obrigada por existir, Flora Benita. Que bom que você veio aqui hoje e me chamou de vovó. Eu te amo. Shaná Tová!

Nenhum comentário: